Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2011

VÓ DESENLEANDO OS CARRAPICHOS

Imagem
Só faltava mesmo a gata falar, abrir a boca, falar. O que fosse que falasse, abrindo a boca, mostrando os dentinhos enfileirados, as garras pontudas. O focinho acima da boca, o focinho frio, abaixo dos olhos, das orelhas, os olhos abaixo das orelhas. Minha Vó criava a gata. Pegou de pequena, a gata de novinha, nem os olhos abriram e Vó a pegou. É minha, eu crio! Vó já sabia o sexo, que era fêmea o sexo. O povo se enrolava, olhavam embaixo e não sabiam, só depois de um tempo saberiam se era gata, se era gato, bicho novinho assim não tem como saber, como adivinhar. Vó sabia, o jeito dela ser mais a frente do povo. Vó a recolheu, a mãe dela, a mãe da gata, havia deixado a pobre apartada, rejeitada, pequenininha a pobre, miudinha na palma da mão, uma ratinha apartada. Vó deu leite na colher de chá nos primeiros dias, abria a boca, enfiava acolher e a gata tossia, já morrendo, tossindo. Vó esperta, Vó macaca velha, pegou um paninho, ensopou a ponta com leite e deu a gata. A gata chupando o…

LANÇAMENTO DO LIVRO 'SOBRE A LÁPIDE: O MUSGO

Imagem
2


triste
como um guarda de trânsito
dentro da chuva

O FORASTEIRO

Imagem
O homem vinha a cavalo. De longe ele vinha crescendo, já nem cabia mais na tela, se fosse um filme já nem caberia mais na tela, o homem a cavalo, vindo. Foi parando, puxando as rédeas, parou. Fez o cumprimento, o cumprimento que era tocar o chapéu com a ponta dos dedos, as unhas sujas na ponta dos dedos, aquela lua minguante de sujeira incrustada nas unhas, perguntou se o forasteiro estava perdido, se tinha parentes por ali, se estava perdido, sem rumo. Ele mesmo, o homem que vinha a cavalo poderia ser um seu parente, um ente distante da família, a família grande que acaba se espalhando, praga de gafanhotos, se espalhando, comendo os milharais, as alfaces, as acelgas, os vestidos, as estampas, os vestidos com as estampas comidas. O forasteiro bem que podia ser um filho seu. Sabe desses filhos, esses filhos que não existem e que depois aparecem, depois existem, batem na porta e a gente se assusta com uma pessoa que é a nossa cara, o mesmo focinho nosso, nossa juventude batendo a porta …

AMOR É FOGO, DEPOIS FUMAÇA

Imagem
(Bem Antigamente, era assim)
A pessoa sabe o que é o amor? A pessoa sabe o que sabendo o que ele é? Do que ele vem, do que ele nasce? Se é o que se pensa, se é o que se diz ou se é mesmo o que se sente, que a pessoa pode sentir e não pensar e não dizer, a pessoa pode sentir, somente. Sentir já é amor ou amor é quando a pessoa sabe, quando a pessoa diz a outra o que ela sabe, o que ela pensa, o que ela sente? Sentir muito ou sentir pouco o amor na gente já é amor ou é preciso sentir um pouco mais. Mais além,a leste das montanhas da nação Cherokee. O amor deixando as marcas na gente, as unhas de gato, enfiadas na gente. Os pelos de gato, na roupa da gente, o tecido preto da roupa, cheio de pelos, a roupa salpicada de pelos. O amor é o que? Um cadeado, um armário, um sofá, o sofá gasto, a cama gasta da gente deitar, a gente embolando, sem sono, com o pesadelo, a gente embolando, o feto que é a gente embolar na cama. O amor é uma faca, uma lamina de uma faca, uma adaga reluzindo? A lâmina …

AS ABELHAS SENSITIVAS

Ninguém sabe explicar, nem os criadores, nem os especialistas, nem os livros, nem o Google. As abelhas. O numero de abelhas diminuindo no mundo. No Brasil, na China, no Iraque e no Iran, se por lá existirem abelhas. Por que não existiriam por lá, não faz sol por lá? Faz sol, têm flores, têm açúcar, rapadura têm? Rapadura deve ter, importada daqui, de Pernambuco, daqui. Meu Avô costumava dizer que as abelhas eram sensitivas, ele trabalhando com elas, meu Avô apicultor do Estado, trabalhando com elas, elas sensitivas, percebendo a tristeza dele, o amargo da boca caída, a boca assim, pendida, os cantos da boca dele, do meu Avô, o velho que era o meu Avô. Então elas não davam nem trabalho, mansinhas que elas ficavam. Elas, as abelhas. Meu Avô chegava em casa, ficava sem ação, as mãos no bolso, perdidas no bolso. O povo da casa olhando pra ele, pra ver mesmo se ela tinha ação. Ele achando melhor ficar com as abelhas, as abelhas camaradas dele. Meu Avô dizia que as abelhas eram sensitivas, …