Foto: José Antoine Costa
Até onde as balas vão? 

Aí você martela e já pensa: até a lua. Até a esquina. Até as carnes de um filho de Deus que amorteça. 

Balas vão mais longe que os chumbos. Chumbos só abatem passarinhos. Chumbos salpicam, espalham-se nos ares e aninham nas aves. Pior malvadeza matar aves a pleno voo. A pleno voo ou a pleno pouso. Pernilongo a gente pondera. Mata. 

Até onde as balas vão? 

Do meu quintal eu jogava pedras nos telhados vizinhos. Pedras, caroços e embalagens. As pedras sumiam nos ares. Depois era o estalo seco nas brasilites. Era bom ser ruim e ninguém ver. Depois parei. Julguei que pudesse furar uma cabeça, um olho. 

Postagens mais visitadas deste blog

Impulso

Suspiros

Paulo Gervais, Poeta.