Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2017

(A)deus Marcus Accioly

Imagem
Morreu o Poeta épico, Marcus Accioly. Em 2002 tomei contato com a sua obra, quando li 'Nordestinados, livro que havia me impressionado muito. Li e reli umas tantas vezes. Na contracapa havia alguns elogios de Drummond e João Cabral. Quem era esse Marcus Accioly? Alguns anos depois tive a chance de conhecê-lo e, atrevidamente, mostrar os poemas do meu primeiro livro, 'A morte' (que só seria publicado em 2008).
Tive medo do que viria. Eu estava diante de um dos maiores poetas vivos do Brasil, e ele estava lendo meus poemas, escritos ainda nos tempos de faculdade, aos vinte e poucos anos. Eu ia criando desculpas, caso o Poeta não gostasse dos poemas do jovem petulante: “são só rascunhos, são só ideias, são nada com nadas.”
Estava diante de um ídolo. Eu era Davi e ele o Golias. Mas, era ele quem poderia me atirar a pedra, derrubar-me. Que ideia teria sido aquela minha de mostrar meus poemas de puberdade e espinhas? O Poeta tirou os óculos, franziu a testa, me fez umas três perg…

Héroi

Imagem
Herói só morre mesmo com a última pedrada. O último tiro!
Fiquei com este pensamento na cabeça, indo e vindo: ser um herói. Ser imorrível. Nas conversas em família citariam meu nome. “Um orgulho... De pequeno já sabíamos de sua grandeza... Um iluminado...”
Tive vontade de servir ao exército. Ser um soldado brasileiro condecorado com medalhas por bravura. Usaria a farda do Schwarzenegger, faca de sabre ― para abrir alguma lata de sopa de Andy Warhol ―, coturno com sola de pneu, metralhadora e cinturão de cartucheira.  
Tive disposição para ir a guerra e só temia a chuva.
Supus que a maior tristeza de uma guerra era a chuva. O Chão ensopado, lamacento, o coturno criando frieiras e bolhas nos pés. Na certa os coturnos afundariam e um inimigo atiraria pelas costas. 
Alguém perguntou o que iria fazer no meio de uma guerra? ―Mataria alguém? ―Como assim? ―Você puxaria o gatilho, mataria um cristão?
Numa situação de perigo eu não poderia titubear: ou puxava o gatilho ou seria morto com um tiro nas…
Imagem
Há quem viva a dissecar sapos para saber o que estas criaturas carregam dentro. O dentro ingerido e o dentro com ele nascido. Não basta ver por fora, em camada de fino couro e verniz. É preciso ver profundo, mergulhar no recôndito cu do Judas. Somente dois seres se prestam a essa tarefa engenhosa. Não pense, leitor amigo, que seja uma atividade de quem não tem o que fazer. Pelo contrário, esteja a ver! Quem indaga o que dentro carrega um sapo alarga a humanidade. Engrandece a raça. Opulenta o viver. Pode haver, confesso, um pouco de exagero ao que digo. Escrevo sem régua e sem receios estatísticos. O conselho é que não me leves a sério. Aqui eu zombo e rio. Rir é a minha vingança contra a morte! 
Somente dois seres se prestam a essa tarefa engenhosa: dissecar sapos. O primeiro ser é Cientista, que no uso de um estilete, extirpa o sapo, corta-lhe os alvéolos, a traqueia e faz pequenas incisões nos pulmões, se calhar uma mudança de sexo, uma lipo. Tudo a saber se a criatura mudara de com…
Imagem
Poetas fumaçam na cabeça
pensando as coisas que imaginam alumbrar

assim:
de um varal virar uma cobra e comer a roupa estendida

assim-assim:
um varal virar uma cobra e comer a roupa e virar aranha
e fazer uma teia do restinho da roupa que sair defecada de seu fundilho

o despoeta nem pensa
já diz:
mas a teia não sai do fundilho da aranha
sai das fúsulas fiandeiras do abdômen

o despoeta nem fede nem cheira
(Imagem: Pinterest)