Inverno


Os dias amanheceriam nublados. Um após o outro. Todos. Depois cairiam as chuvas, soprariam as portas, sacolejando-as. A madeira empenaria dificultando o abrir e fechar. As paredes minariam água, mostrando o desenho dos tijolos assentados sob o reboco. Formariam degraus de água. O mofo caminharia até o guarda-roupa, empestaria os panos de rabujo e fedentina. A rua enlamearia, exigiria cuidados, escorregadia e esburacada... "Deus sabe o que faz". O mofo caminharia nas paredes, portas, sapatos, frutas, livros... As águas minariam do teto e bolhas estourariam o gesso. Panelas e tapauéres tomariam o chão. Pingos e mais pingos. Um após o outro.

(Imagem: olhares.com @stephane)

Postagens mais visitadas deste blog

Impulso

Suspiros

Paulo Gervais, Poeta.