Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2019

Crônica de binóculos e bugs

Imagem
A ambulância havia chegado. Muita gente em volta. Que é que tinha parar dois minutinhos para ver o acidentado? Ao menos haveria uma história pra contar. Tipo, “Quem soube do acidentado de hoje?”, e ninguém saberia, e você se sentiria importante, sentiria que as pessoas precisariam saber daquele acidentado, aí você, todo dono do mundo, diria, “Coisa mais triste, o corpo lá, ensanguentado, agonizando. Aposto que não escapou.” Blá,blá, blá. Comigo foi diferente. Comigo foi assim: um garotinho olhou minha cara de curiosidade, disse, “Foi um bêbado. Ele caiu, partiu a testa e o cérebro pulou fora. A roupa toda melada de sangue e ele chorando sem saber voltar pra casa.” Olho pro garoto. Deve ter uns quatro, cinco anos, não mais. “Vai morrer, o pobre.” O garoto coloca as mãos nos olhos, fazendo um binóculo. “Talvez, não”, eu digo. “Se colocarem um cérebro novo ele se recupera.” O garoto me olha, franze a testa. Prossigo, “Vi no Discovery! Eles tiram o cérebro de uma caixa térmica, sai fumaça…

Crônica da cachorrinha encantada

Imagem
Era uma cachorrinha de qualquer raça. Por exemplo, se dissessem que ela era uma yorkshire, então ela dava uma cambalhota e virava uma cachorrinha peluda com olhar pidão e incontinência urinária das yorkshires. E seria preciso aquela trabalheira pra desembaraçar e pentear e tosar e perfumar. Até que ela se zangasse dos puxarrancos e virasse uma pinscher de pelagem rala. Uma pinscher tamanho zero, das de tamaninho de rato. E era fácil dela ser confundida ou de ir lá dormir com as ratazanas, aninhada e mamando na rata-mãe. Até que alguém sentisse o cheiro de monturo e sempre tapasse as ventas ao chegar perto dela. Então lhe pediam pra virar uma labradora. Ela dava uma cambalhota e virava uma labradora caramelo. Corria pela casa, derrubava porcelanas e roia os pés da mesa e da cama. Um dia virou uma dogue alemã, mas não coube muito bem dentro da caminha e também tinha aquela questão das fezes monstruosas. Ultimamente ela preferiu virar uma husky, só pra que ficassem hipnotizados com a cla…

Crônica de malabarismos e aprumos

Imagem
O homem abaixou e pegou uma pedra. Estou no semáforo e o observo. Será um dia agitado e o cérebro lateja as ideias. Crio a fabulação que aquela pedra é um pedaço do planeta. O planeta está se desintegrando. Indiferente a minha fabulação está o homem que abaixou, pegou uma pedra e agora a joga para cima. Antes que ela caia, o homem joga outra pedra e mais outra e aquilo vira um malabarismo. Agora o semáforo poderia demorar toda a manhã! As pessoas passam e desviam do malabarista. As pessoas com horários e problemas. Desviam e torcem a cara. Eu não! Abro o sorriso diante do espetáculo da vida. Eu saúdo a loucura que caiu sobre aquele homem. Impossível não o perceber com aquele colete neon. Faz mototáxi. Faz malabarismo com pedacinhos do planeta. Faz a vida sair do piloto automático. Faz de conta que está num circo. Então uma pedra começa a esfarelar, vai se desintegrando até virar poeira. Agora as pessoas abanam a mão e é possível que até o xinguem. É possível que chamem a polícia e o q…

Crônica de berros, bramidos e brados

Imagem
Lady Laura tem fascínio por etiquetas. Desde cedo, desde sempre. Lá está ela em seu carrinho. Assiste algum desenho colorido, barulhento. Inúmeras vezes o mesmo desenho — já cantarolamos as músicas. Assoviamos no banho, na ida ao trabalho, na sala de aula. — De repente cai sobre Lady Laura o tédio com a vida. Quanto ela está pesando hoje? Nove quilos, calculo. Está pesada! Nove quilos e ainda se debaterá, entediada. É preciso força para sustentá-la. Domá-la. Procuro algum brinquedo de morder. É preciso entretê-la. Um brinquedo onde possa fincar os dentinhos, amolá-los, deixando marcas no plástico. É a fase do morder. Morder o mundo. Funcionou por minutos, de novo caiu o tédio. É preciso procurar outra coisa, vasculhar o mundo a procura de algo que possa ser babado e destruído. O que? Talvez uma pedra, uma árvore. E eis que surge uma embalagem colorida e barulhenta. Uma embalagem de salgadinho. Fede, mas o colorido, o barulho... Logo se entedia e chora. O rosto vermelho, a cara franzid…

Crônica do Dia do juízo

Imagem
Imagine que um dia você será julgado por um assassinato do qual nunca se deu conta. Um assassinato cruel e a queima roupa e sempre recorrente. Você é um senhor assassino. Eu sou um senhor assassino. E você e eu estávamos impunes, até agora, no dia do juízo. Imagine que hoje, ao acordarmos, o mundo passou a ser governado por formigas e por aranhas e por baratas e pernilongos e ratos e tudo mais. Essas criaturas tramaram, durante séculos, a tomada de poder, a subida ao trono, a queda da Bastilha. Choraram, cada bichinho a sua maneira, a dor dos parentes pisoteados por nós desde o início da humanidade. Pacientemente, numa mansidão calculada, as formigas foram recolhendo os bichinhos esmagados. Uma infinidade delas recolhendo um braço pisoteado, uma perna, uma antena. E nem nos preocupávamos com esses bichinhos a carregarem seus despojos. Até hoje, quando nos chega a notícia que aqueles pedacinhos: braços, pernas, antenas... Tudo isso ao longo dos séculos, tudo sendo amontoado, colado e p…