quarta-feira, 15 de maio de 2019

Crônica de berros, bramidos e brados


Lady Laura tem fascínio por etiquetas. Desde cedo, desde sempre. Lá está ela em seu carrinho. Assiste algum desenho colorido, barulhento. Inúmeras vezes o mesmo desenho — já cantarolamos as músicas. Assoviamos no banho, na ida ao trabalho, na sala de aula. — De repente cai sobre Lady Laura o tédio com a vida. Quanto ela está pesando hoje? Nove quilos, calculo. Está pesada! Nove quilos e ainda se debaterá, entediada. É preciso força para sustentá-la. Domá-la. Procuro algum brinquedo de morder. É preciso entretê-la. Um brinquedo onde possa fincar os dentinhos, amolá-los, deixando marcas no plástico. É a fase do morder. Morder o mundo. Funcionou por minutos, de novo caiu o tédio. É preciso procurar outra coisa, vasculhar o mundo a procura de algo que possa ser babado e destruído. O que? Talvez uma pedra, uma árvore. E eis que surge uma embalagem colorida e barulhenta. Uma embalagem de salgadinho. Fede, mas o colorido, o barulho... Logo se entedia e chora. O rosto vermelho, a cara franzida. Uma lágrima. Procuro uma lágrima sequer. Não há. Só berros, bramidos e brados retumbantes. O controle remoto! Ela o encontra. Para de chorar e me lança um olhar de luz. O controle remoto! Receio que o parta em dois. Ela chora, pressionando-me. E lá está o controle nas mãozinhas de bolota. Parece que gostou. Mordeu, mudou de canal, aumentou o volume e, entediada, jogou no chão. Talvez ela queira o ursinho com guizos embutido. Olha o barulhinho, mamãe, olha o barulhinho! Não, não gostou. Faz careta — sempre franze a testa e as ventas — está prestes a sacudir o ursinho de guizos e, epa! Percebe a etiqueta. Pedacinho de pano saltando das costas. Letras miudinhas, código de barras. E aí ela se entretém. Belisca a etiqueta, soletra, conversa e ri.