Os meninos Schwarzenegger e Stallone

Cresci assistindo aos filmes de socos, chutes, facas cravadas e tudo mais. Dois atores reforçaram o meu imaginário de pancadaria e de menino magricela. O Schwarzenegger e o Stallone. Os maiores ícones. Só depois é que viriam o Van Damme e o Dolph Lundgren, mas num grau menor. Schwarzenegger foi quase tudo: Mister Universo, governador da Califórnia, empresário de fisiculturismo e, claro, foi o John Matrix  no clássico filme ‘Comando para matar’. Fez também filmes de comédia e sempre foi mais versátil. Empreendedor, para usar um termo presente. O Stallone fez um filme de comédia e graças a deus ficou por aí. Sua praia sempre foram os filmes de atirar (Rambo) ou levar murros, principalmente levar murros (Rocky). Aliás, ‘Rocky: um lutador’, 1976, é um clássico absoluto! Esses dois veteranos: Schwarzenegger 73 e Stallone 74, estão mais uma vez de parabéns! Schwarzenegger pela dramática interpretação de ‘Em busca de vingança’, onde perde a esposa e a filha grávida num desastre aéreo.  E o Stallone por interpretar o vetereno treinador de ‘Creed 1 e 2’. Aliás, filme em que vira personagem coadjuvante, uma raridade. Agora eles não dão murro, nem facadas, nem pulam de helicóptero. Agora eles sofrem com os demônios da existência e a velhice. Se os conheço bem, é provável que ainda apareçam apertando o gatilho ou amassando a cara de algum filho da mãe. Está no sangue!  Vida longa para estes meninos.